Melhorar a sua escrita, incluindo emails

//Melhorar a sua escrita, incluindo emails

Infelizmente não existe uma fórmula mágica para aprender uma língua, especialmente para aprender a escrever. Não se aprende um idioma sem estudo e prática. É a escrever e a corrigir os erros que vamos aprendendo progressivamente.

Para além do vocabulário que temos de conhecer, para construir uma frase é necessário estudar gramática, as suas regras, e saber aplicá-las. Desde o nível inicial até ao avançado, os exercícios escritos fazem parte integrante da aprendizagem. Neste percurso, os formandos começam por frases simples, com vocabulário básico, até chegarem a frases com estruturas complexas e elaboradas, já num nível de fluência.

Se há uns anos atrás, muitos problemas pessoais ou das empresas, eram resolvidos por fax ou por telefone, atualmente tudo passa pelos emails por ser o meio mais rápido e eficiente. O estilo pode ser mais ou menos formal, mas acima de tudo o email pretende ser prático e resolver assuntos, o que requer uma linguagem escrita objetiva, clara e fácil de perceber. Ou seja, bem escrito! Um email mal escrito ou com erros ortográficos pode ter consequências nocivas para as empresas pela má imagem que pode deixar ou por gerar mal-entendidos.

O mesmo se passa com a elaboração de um relatório, uma apresentação, ou qualquer outro documento.

Só com um bom domínio da língua se pode escrever bem, passar boas mensagens, produzir bons textos e deixar uma boa imagem pessoal ou da empresa. E o melhor é que quanto mais escrevemos, mais prática temos e mais melhoramos.

É esta componente prática e objetiva da escrita que ensinamos aos nossos alunos quando já têm um nível intermédio da língua. Para se poder escrever bem um email em inglês ou noutro idioma é necessário ter um bom domínio da gramática e ter bastante vocabulário. Claro que um aluno de A2 (elementar ou pré intermédio, segundo o QECR) já consegue escrever um email muito simples, mas obviamente com limitações. Um aluno de nível B1 (intermédio) já é capaz de escrever de uma forma um pouco mais complexa, fazendo a ligação de ideias. Com o nível B2 (intermédio alto) já se produzem textos (ou até mesmo relatórios) com algum detalhe, com alguma argumentação e com opinião. No nível C1 (avançado) já se escreve fluentemente, textos bem estruturados, expõem-se pontos de vista com alguma profundidade, escreve-se de uma forma mais complexa e consegue adequar-se a escrita ao tipo de leitor.

Hoje em dia, existem manuais com muito vocabulário relacionado com o mundo do trabalho em que se pode praticar uma linguagem mais profissional adequada a cada um dos níveis. Na AGILE TRAINING optamos pelos melhores manuais das mais conceituadas editoras: Cambridge, Oxford, Pearson e Macmillan, no caso do inglês. No caso dos outros idiomas temos também os manuais das melhores editoras de cada país. Para além dos manuais, na internet podemos encontrar inúmeros websites com milhares de exercícios de gramática e de vocabulário de determinadas áreas profissionais.

2018-02-19T22:20:03+00:00